logo colégio cie

Hábitos de estudo: como criar? 3 formas de incentivar os filhos

Alunos em sala de aula

Durante a infância e adolescência dos filhos, duas das principais preocupações são: oferecer um ensino de qualidade para garantir um futuro melhor para as crianças e promover o hábito de estudos na própria casa. Para muitos pais, a segunda parte é a mais complexa.

Isso acontece porque é comum que os filhos demonstrem certa resistência a isso. Mas não se preocupe, essa não é uma missão impossível! Ainda que seja difícil iniciar e manter o ritmo desse processo, há algumas formas de fazê-lo sem sofrimento.

Descubra, neste post, 3 dicas incríveis de como estimular os estudos na sua casa, além de desenvolver o bom costume da leitura. Confira abaixo!

Quero agendar uma visita ao Anglo Chácara!

Importância da criação de hábitos de estudos

Crianças aprendem principalmente pela repetição, desde a fala até a escrita. Sabendo disso, a construção de bons hábitos também é feita por meio de rotina, e quanto antes ela fizer parte do dia a dia, melhor será a criação desse entendimento e a separação de horários para tal.

De crianças a adolescentes, o mais importante é começar e buscar disciplina para que o foco principal não se perca: um estudo de qualidade.

3 formas de incentivar o estudo em casa

Apesar de parecer uma tarefa difícil, existem formas de fazer com que esse processo seja cada vez mais natural na rotina das crianças. Para facilitar esse caminho e auxiliá-las, confira três dicas incríveis para incrementar hábitos saudáveis na rotina dos pequenos! 

1. O estudo pode ser algo divertido

Para iniciar o processo, principalmente com crianças, é preciso desconstruir a imagem de que o estudo é algo engessado e entediante. Por isso, é preciso estimulá-lo por meio de dinâmicas e desafios, a fim de que a criança se sinta motivada e não pressionada a realizar tal ação.

Seja com música, seja com jogos ou elementos que necessitem de criatividade, o ideal é sempre buscar relacionar a hora do estudo a um momento de brincadeira também. Com os filhos um pouco mais velhos, a premissa também é válida, o que muda são os estímulos. 

Busque trazer elementos do cotidiano que possam aproximar e facilitar o aprendizado, diversificando e potencializando os métodos de estudo.

2. Crie metas de desempenho

Quem não gosta da sensação de alcançar um objetivo, não é mesmo? Desafiar as crianças, de forma saudável, a conquistarem uma meta é um incentivo positivo para elas. Além disso, você pode aumentar os escopos a serem atingidos de forma gradual, como um jogo de fases.

Por exemplo: crie metas semanais no planejamento para que a criança realize uma certa quantidade de textos ou o aprendizado de uma tabuada. Faça essa organização considerando a velocidade de aprendizado, cuidando para que não seja uma sobrecarga para seu filho. Não são necessárias grandes realizações, mas pequenas conquistas que farão toda diferença. Vale ressaltar: comemore cada vitória! Crianças também precisam de incentivo e engajamento para adquirir gosto pelas metas alcançadas.

E lembre-se: criar metas é importante para incentivar o aumento progressivo do desempenho, mas é diferente de oferecer recompensas por conquistas. Apesar de parecer algo inofensivo, a longo prazo, pode ser prejudicial criar no imaginário da criança a sensação de que todo gesto gera uma recompensa, o que pode causar frustrações e, consequentemente, um desinteresse na realização de suas atividades, prejudicando o desenvolvimento socioemocional dos estudantes.

Leia também

- Qual a importância da leitura no ensino fundamental?

- Competências socioemocionais: como elas impactam o aluno?

3. Construa uma rotina de estudos

Tanto crianças como adolescentes e adultos precisam estabelecer rotinas para construir hábitos. É colocando o estudo como rotina que a criança entende a importância daquele compromisso que é diário. 

Na organização da rotina, os assuntos a serem vistos devem ser preparados e estabelecidos. Com esse planejamento, é possível ter uma visualização maior do que será praticado e contemplar todas as matérias e competências sem que alguma seja colocada de lado.

Em parceria com as crianças, é importante delimitar o tempo de atividade para que se estabeleça a responsabilidade de horários e seja criada a noção de compromisso, mesmo em casa. Assim como existe horário para estudar, também devem ser colocados em pauta os horários para brincar. Dessa forma, a criança começa a entender que uma obrigação não elimina seu momento de lazer para desfrutar a própria infância, que é importante para toda sua construção social.

Com o tempo e esse entendimento, é criada a autonomia desse jovem que compreende a sua rotina e realiza suas atividades de maneira natural e de forma independente. 

Como criar o hábito de leitura?

Esse é um dos hábitos mais saudáveis a ser desenvolvido e pode ser mais fácil do que se imagina. Crianças são curiosas e gostam de explorar a criatividade. Comece oferecendo leituras simples e que estejam ligadas ao universo imaginário delas, como gibis ou histórias curtas. 

Ofereça uma diversidade de conteúdos para ver o que mais chama sua atenção e, então, invista no que for mais atrativo. Aos poucos, será natural e perceptível o gosto pela leitura, principalmente por estar associado também a um momento de lazer para a criança.

Se for o caso, leia junto e fortaleça esse vínculo com ela para que esse instante fixe no seu imaginário afetivo, sendo não só um hábito mas algo a ser compartilhado de forma positiva entre vocês.

De acordo com a idade, aumente a complexidade dos assuntos e formatos dos livros gradualmente, até que ela mesma comece a escolher quais leituras fazer. De forma autônoma, a criança estará desenvolvendo uma competência extremamente importante para a sua formação cognitiva, intelectual e cultural.

Comece a cultivar esses hábitos desde cedo

O ensino em casa é a extensão da escola. Os dois ambientes devem estar em sintonia e de acordo com as competências a serem desenvolvidas, dessa forma, é possível oferecer um ensino multidisciplinar e com várias frentes. 

É papel dos pais auxiliarem nesse ensino, mas cabe também à instituição disponibilizar projetos educacionais que visem ao crescimento intelectual e pessoal do estudante. Quer saber cinco exemplos práticos do que deve ser elaborado e executado em sala de aula? Confira o post “5 exemplos de projetos educacionais que beneficiam o aluno” e fique atento na hora de escolher a instituição de ensino dos seus filhos.

5 exemplos de projetos educacionais que beneficiam o aluno

Postado porAnglo Chácara

Postado em18 de junho de 2021


Palavras chave:

Blog do Anglo

Ver todasclique para conhecer mais
receba nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba as últimas novidades por e-mail

entre em contato

Entre em contato

Entre em contato que nós iremos responder assim que possível.

Copyright © | - Todos os Direitos Reservado por

Termos de Uso|Política de Privacidade
Ligarclique para ligar